A la mie maneira

Março 11, 2010 at 12:06 am (Pertuesa) ()

Scuitar

A qualquiera die,
A qualquiera hora,
Bou stourar, pa siempre.

Mas antretanto,
anquanto tu duras,
Tu pones-me tan caliente.

Yá sei que hei-de arder na tue fogueira,
mas será siempre, siempre a la mie maneira.

I las fuorças que me ampúrran
I ls murros que me çmúrran
Solo ye pa luitar,
A la mie maneira (a la mie maneira)
A la mie maneira

Por essa strada,
Por esse camino
La nuite, de siempre

De tombo an tombo,
Passo a passo,
Bou andando, pa delantre

Yá sei que hei-de arder na tue fogueira
Mas será siempre, siempre a la mie maneira

I las fuorças que me ampúrran
I ls murros que me çmúrran
Solo me fazeran luitar
A la mie maneira (a la mie maneira)
A la mie maneira

A la mie maneiraaaaa
A la mie maneira!

[À Minha Maneira, Xutos & Pontapés]

A qualquer dia,
A qualquer hora,
Vou estoirar, pra sempre.

Mas entretanto,
enquanto tu duras,
Tu poes-me tão quente.

Já sei que hei-de arder na tua fogueira,
mas será sempre, sempre à minha maneira.

E as forças que me empurram
E os murros que me esmurram
Só é para lutar,
À minha maneira (à minha maneira)
À minha maneira

Por essa estrada,
Por esse caminho
A noite, de sempre

De queda em queda,
Passo a passo,
Vou andando, prá frente

Já sei que hei-de arder na tua fogueira
Mas será sempre, sempre à minha maneira

E as forças que me empurram
E os murros que me esmurram
Só me farão lutar
À minha maneira (à minha maneira)
À minha maneira

À minha maneiraaaaa
À minha maneira!

Lhigaçon Para Siempre 1 Comentairo

Cinema Paradiso

Janeiro 18, 2010 at 12:26 am (Pertuesa, Strangeira) (, , , )

Scuitar

Era ua beç
Un frisgo de magie
Beilado de selombra i de luç
De suonho i fantasie
Nun ritual que me seduç
Cinema que me dás tanta alegrie

Deixa la música
Crecer nesta cadéncia
Na tela de l miu coraçon
Tornar a ser nino
I assi squecer la solidon
Ls uolhos a brilhar
Nua sala scura

Bola a 24 eimaiges por segundo
Miu comobido coraçon
Daprendiu a bolar
Neste Cinema Paraíso
Que you trago ne l mirar
I tamien ne l riso


[Dulce pontes canta Ennio Morricone : Cinema Paradiso]

Era uma vez
Um rasgo de magia
Dança de sombra e de luz
De sonho e fantasia
Num ritual que me seduz
Cinema que me dás tanta alegria

Deixa a música
Crescer nesta cadência
Na tela do meu coração
Voltar a ser criança
E assim esquecer a solidão
Os olhos a brilhar
Numa sala escura

Voa a 24 imagens por segundo
Meu comovido coração
Aprendeu a voar
Neste Cinema Paraíso
Que eu trago no olhar
E também no sorriso

Lhigaçon Para Siempre Deixa un Comentairo

A cunduzir a camino de casa pa l Natal

Dezembre 21, 2009 at 1:34 am (Strangeira)

Scuitar

A cunduzir a camino de casa pa l Natal
Mal puodo asperar para ber aqueilhes rostros
A cunduzir a camino de casa pa l Natal, si
Bien, stou andando pula strada
I yá passou tanto tiempo
Mas you starei alhá
Para cantar esta cançon
Para passar l tiempo
A cunduzir l miu carro
A cunduzir a camino de casa pa l Natal

Bai lebar algun tiempo
Mas you alhá chegarei
Angarrafado ne l tránsito
Apanhei un sinal burmeilho ne l camino
Mas nistante benirá l’outostrada
Poner ls mius pies na tierra santa

Antoce you canto para ti
Anque nun me puodas scuitar
Quando you chegar
I sentir-te cerca de mi
Stou a cunduzir a camino de casa pa l Natal
A cunduzir a camino de casa pa l Natal
Cun mil mimórias

Dei ua miradela al cundutor de l lado
I el stá cumo you
Tal cumo you

Angarrafado ne l tránsito
Apanhei un sinal burmeilho ne l camino
Stou a cunduzir a camino de casa pa l Natal, si
Poner ls mius pies na tierra santa
Antoce you canto para ti
Anque nun me puodas scuitar
Quando you chegar
I sentir-te cerca de mi
A cunduzir l miu carro
A cunduzir a camino de casa pa l Natal
A cunduzir a camino de casa pa l Natal
Cun mil mimórias

[Driving home for christmas -Chris Rea]

Driving home for Christmas
Oh, I can’t wait to see those faces
I’m driving home for Christmas, yea
Well I’m moving down that line
And it’s been so long
But I will be there
I sing this song
To pass the time away
Driving in my car
Driving home for Christmas

It’s gonna take some time
But I’ll get there
Top to toe in tail-lights
Oh, I got red lights on the run
But soon there’ll be a freeway
Get my feet on holy ground

So I sing for you
Though you can’t hear me
When I get through
And feel you near me
I am driving home for Christmas
Driving home for Christmas
With a thousand memories

I take look at the driver next to me
He’s just the same
Just the same

Top to toe in tail-lights
Oh, I got red lights on the run
I’m driving home for Christmas, yea
Get my feet on holy ground
So I sing for you
Though you can’t hear me
When I get trough
And feel you near me
Driving in my car
Driving home for Christmas
Driving home for Christmas
With a thousand memories

Lhigaçon Para Siempre 2 Comentairos

Houmanos

Nobembre 23, 2009 at 12:01 pm (Strangeira)

Scuitar [Killers – Human]

Dei l miu melhor pa antender
Quando la chamada bieno pula linha
Até este stado de rendiçon,
Fui trazido mas fui amable
A las bezes quedo nerbioso
Quando you beio ua puorta abierta
Cerra ls uolhos
Limpa l tou coraçon

Corta ls cuordon
Seremos houmanos?
Ó somos beilarinos?
Miu senhal ye bital
Mies manos stan fries
I stou de zinolhos
A la percura de la repuosta
Seremos houmanos?
Ó somos beilarinos?

Apersenta miu respeito pa la grácia i la birtude
Ambia mies cundoléncias als buonos
Dá mius saludos a la alma i remanse
Siempre eilhes fazírun l melhor que podien
i adius a la deboçon
Tu ansineste-me todo l que you sei
Diç adius
Deseia-me suorte

Tenes que me deixar
Seremos houmanos?
Ó somos beilarinos?
Miu senhal ye bital
Mies manos stan fries
I stou de zinolhos
Percurando la repuosta
Seremos houmanos?
Ó somos beilarinos?

L tou sistema bai quedar bien
quando sonhares cun casa hoije a la nuite?
Nun stamos a recebir nanhue mensaige
Deixe-me saber se l tou coraçon inda bate

Seremos houmanos?
Ó somos beilarinos?
Miu senhal ye bital
Mies manos stan fries
I stou de zinolhos
Percurando la repuosta

Tenes de me deixar saber
Seremos houmanos?
Ó somos beilarinos?
Miu senhal ye bital
Mies manos stan fries
I stou de zinolhos
Percurando la repuosta
Seremos houmanos?
Ó somos beilarinos?

Seremos houmanos?
Ó somos beilarinos?

Seremos houmanos?
Ó somos beilarinos?

[Human, The Killers]

I did my best to notice
When the call came down the line
Up to the platform of surrender
I was brought but I was kind
And sometimes I get nervous
When I see an open door
Close your eyes
Clear your heart…
Cut the cord

Are we human?
Or are we dancers?
My sign is vital
My hands are cold
And I’m on my knees
Looking for the answer
Are we human?
Or are we dancers?

Pay my respects to grace and virtue
Send my condolences to good
Give my reguards to soul and romance
They always did the best they could
And so long to devotion
You taught me everything I know
Wave goodbye
Wish me well..
You’ve got to let me go

Are we human?
Or are we dancers?
My sign is vital
My hands are cold
And I’m on my knees
Looking for the answers
Are we human?
Or are we dancers?

Will your system be alright
When you dream of home tonight?
There is no message we’re receiving
Let me know is your heart still beating

Are we human?
Or are we dancers?
My sign is vital
My hands are cold
And I’m on my knees
Looking for the answers

You got to let me know

Are we human?
Or are we dancers?
My sign is vital
My hands are cold
And I’m on my knees
Looking for the answers
Are we human
Or are we dancers?

Are we human?
Or are we dancers?

Are we human
Or are we dancers?

Lhigaçon Para Siempre Deixa un Comentairo

La boémia

Agosto 30, 2009 at 2:42 am (Strangeira)

Scuitar [La Bohème – Charles Aznavour]

You falo-bos dun tiempo
Que ls que ténen menos binte anhos
Nun puoden saber
Montmartre naquel tiempo
Ponie sous lilás
Mesmo nas sues jinelas
I se l’houmilde quarto mobilado
Que mos serbiu de nido
Nun tenie buona cara
Fui alhá que mos coincimos
You que choraba miséria
I tu que posabas znuda

La boémia, la boémia,
Esso querie dezir que nós somos felizes
La boémia, la boémia,
Nós solo quemíamos un die an dous

Ne ls cafés bezinos
Nós éramos alguns
Que sperábamos la glória
I anque la miséria
Cul stómago bazio
Nós nun deixemos de acraditar na glória
I quando, an algua taberna
Cun un bun quemido caliente
Nós agarrábamos ua tela
Nós recitábamos bersos
Juntos alredror de l aquecedor
Squecendo l’ambierno

La boémia, la boémia
Esso querie dezir que tu sós guapa
La boémia, la boémia
I nós teniamos génio

Muita beç me acuntecie
Delantre de l miu cabalhete
Passar nuites brancas
Retocando l zeinho
De la linha dua teta
De la rebuolta dun quadril
I esto solo pula manhana
Sentabamos por fin
Antes dun café cun creme
Cansadicos mas cuntentos
Era perciso que mos amassemos
I qu’amassemos la bida

La boémia, la boémia
Esso querie dezir que tenemos binte anhos
La boémia, la boémia
I nós bibíamos de l’aire de l tiempo

Un die destes
You bou a dar un passeio
A la mie antiga morada
You yá nun la reconheço
Nin las paredes, nin las rues
Que bírun la mie mocidade
I de l’alto dua scaleira
You percuro pul atelier
Que yá nun eisiste
An sue nuoba decoraçon
Montmartre peç triste
I ls lilás morrírun-se

La boémia, la boémia
Nós eramos moços, nós eramos boubos
La boémia, la boémia
Esso nun quier dezir absolutamiente nada

Je vous parle d’un temps
Que les moins de vingt ans
Ne peuvent pas connaître
Montmartre en ce temps-là
Accrochait ses lilas
Jusque sous nos fenêtres
Et si l’humble garni
Qui nous servait de nid
Ne payait pas de mine
C’est là qu’on s’est connu
Moi qui criait famine
Et toi qui posais nue

La bohème, la bohème
Ça voulait dire on est heureux
La bohème, la bohème
Nous ne mangions qu’un jour sur deux

Dans les cafés voisins
Nous étions quelques-uns
Qui attendions la gloire
Et bien que miséreux
Avec le ventre creux
Nous ne cessions d’y croire
Et quand quelque bistro
Contre un bon repas chaud
Nous prenait une toile
Nous récitions des vers
Groupés autour du poêle
En oubliant l’hiver

La bohème, la bohème
Ça voulait dire tu es jolie
La bohème, la bohème
Et nous avions tous du génie

Souvent il m’arrivait
Devant mon chevalet
De passer des nuits blanches
Retouchant le dessin
De la ligne d’un sein
Du galbe d’une hanche
Et ce n’est qu’au matin
Qu’on s’assayait enfin
Devant un café-crème
Epuisés mais ravis
Fallait-il que l’on s’aime
Et qu’on aime la vie

La bohème, la bohème
Ça voulait dire on a vingt ans
La bohème, la bohème
Et nous vivions de l’air du temps

Quand au hasard des jours
Je m’en vais faire un tour
A mon ancienne adresse
Je ne reconnais plus
Ni les murs, ni les rues
Qui ont vu ma jeunesse
En haut d’un escalier
Je cherche l’atelier
Dont plus rien ne subsiste
Dans son nouveau décor
Montmartre semble triste
Et les lilas sont morts

La bohème, la bohème
On était jeunes, on était fous
La bohème, la bohème
Ça ne veut plus rien dire du tout

Lhigaçon Para Siempre Deixa un Comentairo

Música

Agosto 30, 2009 at 2:09 am (Pertuesa)

Scuitar

Cumo un raio a rasgar la bida, cumo ua flor
a florir zmedida, cumo ua cidade secreta
a albantar-se de l suolo, cumo auga, cumo pan

Cumo un sfergante único na bida, cumo ua flor
a florir zmedida, cumo ua pétala dessa flor
a albantar-se de l suolo, cumo auga, cumo pan,

Assi naciste ne l miu mirar, assi te bi,
flor a florir zmedida, sfergante único
a albantar-se de l suolo, a rasgar la bida,

Assi naciste ne l miu mirar, assi t’amei,
bida, auga, pan, raio a rasgar ua cidade secreta
a albantar-se de l suolo, flor a florir zmedida

[Música, A naifa]

Como um raio a rasgar a vida, como uma flor
a florir desmedida, como uma cidade secreta
a levantar-se do chão, como água, como pão

Como um instante único na vida, como uma flor
a florir desmedida, como uma pétala dessa flor
a levantar-se do chão, como água, como pão,

Assim nasceste no meu olhar, assim te vi,
flor a florir desmedida, instante único
a levantar-se do chão, a rasgar a vida,

Assim nasceste no meu olhar, assim te amei,
vida, água, pão, raio a rasgar uma cidade secreta
a levantar-se do chão, flor a florir desmedida

Lhigaçon Para Siempre Deixa un Comentairo

Mobimiento Perpeto Associatibo

Agosto 15, 2009 at 6:59 pm (Pertuesa)

Scuitar

Agora si, damos la buolta a esto!
Agora si, hai piernas para andar!
Agora si, you sinto l’outimismo!
Bamos palantre, naide mos bai parar!

-Agora nó, que ye hora de l’almuorço…
-Agora nó, que ye hora de cenar…
-Agora nó, que you cuido que nun puodo…
-Manhana bou a trabalhar…

Agora si, tenemos la fuorça toda!
Agora si, hai fé neste querer!
Agora si, solo beio giente buona!
Bamos palantre i hemos de bencer!

-Agora nó, que me duol la barriya…
-Agora nó, dízen que bai chober…
-Agora nó, que joga l Benfica…
i you tengo mais que fazer…

Agora si, cantamos cun buntade!
Agora si, you sinto l’ounion!
Agora si, yá oubo la libardade!
Bamos an frente, i ye esta la direçon!

-Agora nó, que falta un papel…
-Agora nó, que miu pai nun quier…
-Agora nó, qu’hai angarrafamientos…
-Ide sin mi, que apuis you bou alhá…

[Deolinda, Movimento Perpétuo Associativo]

Agora sim, damos a volta a isto!
Agora sim, há pernas para andar!
Agora sim, eu sinto o optimismo!
Vamos em frente, ninguém nos vai parar!

-Agora não, que é hora do almoço…
-Agora não, que é hora do jantar…
-Agora não, que eu acho que não posso…
-Amanhã vou trabalhar…

Agora sim, temos a força toda!
Agora sim, há fé neste querer!
Agora sim, só vejo gente boa!
Vamos em frente e havemos de vencer!

-Agora não, que me dói a barriga…
-Agora não, dizem que vai chover…
-Agora não, que joga o Benfica…
e eu tenho mais que fazer…

Agora sim, cantamos com vontade!
Agora sim, eu sinto a união!
Agora sim, já ouço a liberdade!
Vamos em frente, e é esta a direcção!

-Agora não, que falta um impresso…
-Agora não, que o meu pai não quer…
-Agora não, que há engarrafamentos…
-Vão sem mim, que eu vou lá ter…

Lhigaçon Para Siempre Deixa un Comentairo

Bida tan stranha

Júlio 19, 2009 at 11:19 am (Pertuesa)

Scuitar

Son de beludo las palabras
Daquel que faç de cuonta qu’ama
Al zanganho liebo la bida
La suorte a mi yá nun me chama

Bida tan sola
Bida tan stranha
Miu coraçon tan mal tratado
Yá nin chorar me traç cunsolo
Resta-me solo l triste fado

La giente bibe na mintira
Yá nin dá de cunta de l que sinte
Antes solica to la bida
Que tener un coraçon que minte

[Rodrigo Leão – Vida Tão Estranha]

São de veludo as palavras
Daquele que finge que ama
Ao desengano levo a vida
A sorte a mim já não me chama

Vida tão só
Vida tão estranha
Meu coração tão mal tratado
Já nem chorar me traz consolo
Resta-me só o triste fado

A gente vive na mentira
Já nem dá conta do que sente
Antes sozinha toda a vida
Que ter um coração que mente

Lhigaçon Para Siempre Deixa un Comentairo

Haba l que houber

Júlio 19, 2009 at 11:00 am (Pertuesa)

Scuitar

Haba l que houber
You stou eiqui
Haba l que houber
spero por ti

Bolta ne l aire ó miu amor
Bolta debrebe por fabor
Hai quanto tiempo, yá squeci
Porque quedei, loinge de ti
Cada sfergante ye pior
Bolta ne l aire por fabor…

You sei quien sós
pa mi
Haba, l que houber
spero por ti…

Hai quanto tiempo, yá esqueci
Porque quedei, loinge de ti
Cada sfergante ye pior
Bolta ne l aire por fabor

You sei quien sós
pa mi
Haba, l que houber
spero por ti…

[Haja O Que Houver, Madredeus]

Haja o que houver
Eu estou aqui
Haja o que houver
espero por ti

Volta no vento ô meu amor
Volta depressa por favor
Há quanto tempo, já esqueci
Porque fiquei, longe de ti
Cada momento é pior
Volta no vento por favor…

Eu sei quem és
pra mim
Haja, o que houver
espero por ti…

Há quanto tempo, já esqueci
Porque fiquei, longe de ti
Cada momento é pior
Volta no vento por favor

Eu sei quem és
pra mim
Haja, o que houver
espero por ti…

Lhigaçon Para Siempre Deixa un Comentairo

Gueibota

Júnio 24, 2009 at 7:32 am (Pertuesa)

Scuitar

Se ua gueibota benisse
Trazer-me l cielo de Lisboua
Ne l zeinho que fazisse

Nesse cielo adonde l mirar
Ye ua asa que nun bola
Mingua i cai ne l mar

Que purfeito coraçon
Ne l miu peito baterie
Miu amor na tue mano
Nessa mano adonde cabie
Purfeito l miu coraçon

Se un pertués marinheiro
De l siete mares andarilho
Fusse quien sabe l purmeiro

A cuntar-me l que ambentasse
Se un mirar de nuobo brilho
Al miu mirar se ambaranhasse

Que purfeito coraçon
Ne l miu peito baterie
Miu amor na tue mano
Nessa mano adonde cabie
Purfeito l miu coraçon

Se al dezir adius a la bida
Las abes todas de l cielo
Me díssen na çpedida

L tou mirar derradeiro
Esse mirar que era solo tou
Amor que fuste l purmeiro

Que purfeito coraçon
Morrerie ne l miu peito
Miu amor na tue mano
Nessa mano adonde purfeito
Batiu l miu coraçon

Miu amor
Na tue mano
Nessa mano adonde purfeito
Batiu l miu coraçon

[Hoje, Gaivota]

Se uma gaivota viesse
Trazer-me o céu de Lisboa
No desenho que fizesse

Nesse céu onde o olhar
É uma asa que não voa
Esmorece e cai no mar

Que perfeito coração
No meu peito bateria
Meu amor na tua mão
Nessa mão onde cabia
Perfeito o meu coração

Se um português marinheiro
Dos sete mares andarilho
Fosse quem sabe o primeiro

A contar-me o que inventasse
Se um olhar de novo brilho
Ao meu olhar se enlaçasse

Que perfeito coração
No meu peito bateria
Meu amor na tua mão
Nessa mão onde cabia
Perfeito o meu coração

Se ao dizer adeus à vida
As aves todas do céu
Me dessem na despedida

O teu olhar derradeiro
Esse olhar que era só teu
Amor que foste o primeiro

Que perfeito coração
Morreria no meu peito
Meu amor na tua mão
Nessa mão onde perfeito
Bateu o meu coração

Meu amor
Na tua mão
Nessa mão onde perfeito
Bateu o meu coração

Lhigaçon Para Siempre Deixa un Comentairo

Next page »